Na Inglaterra: A Congregação da Padaria – 400 anos de História da Igreja Batista

“… Ide por todo o mundo e pregai o evangelho a toda criatura. Quem crer e for batizado será salvo; quem, porém, não crer será condenado.” (Marcos 16. 15-16)           

A Companhia das Índias Orientais usava muitos navios em suas viagens pelo mundo, precisando de uma grande padaria para prover suas embarcações com biscoitos e produtos para suas longas viagens. Na parte mais nova da cidade de Amsterdam, na Holanda, a companhia havia erigido sua padaria, no final do século XVI, em um dos lotes ainda vagos às margens do rio Amstel, uma construção bastante ampla. O prédio foi ocupado durante algum tempo pela Companhia e, em 1603, ele foi alugado como Arsenal da Cidade e então, talvez, a padaria tenha sido mudada de lá. Dois anos após, casas foram construídas em volta do local e, a partir de então, a vizinha Bakhuisstraat (Rua da Padaria), foi renomeada como Bakkersstraat (Rua do Padeiro), vindo a propriedade às mãos de Jan Munter, tornando-se, a partir de então, conhecida como “a padaria de Munter”, sendo a propriedade assim designada nos registros do Consistório da Congregação Menonita de Amsterdam. Jan Munter era membro da Igreja Menonita Waterlander.

Ano de 1609: um grupo de pessoas, ingleses dissidentes da Igreja Anglicana, perseguidos em sua terra por causa de suas convicções religiosas e refugiados em Amsterdam, na Holanda, reuniram-se na padaria de Jan Munter, lugar no qual iniciaram uma nova congregação, pois, com base em Marcos 16 e em outros textos bíblicos, acreditavam que uma igreja local deveria ser formada por crentes convertidos e então batizados. Como haviam todos sido batizados como crianças em suas paróquias anglicanas, crendo que aquele batismo não fora biblicamente válido, passaram novamente pelo ato, primeiro o líder espiritual, John Smyth, depois toda a congregação. Organizou-se assim, oficialmente, uma igreja local de adultos que haviam crido no evangelho de Cristo e seguiam sua crença com o batismo, um embrião batista em formação.           

Pouco tempo depois, talvez no mesmo ano, Smyth arrependeu-se de ter iniciado aquele trabalho daquela forma, achando que todos deveriam solicitar admissão junto à Igreja Menonita Waterlander da cidade, considerada então por ele como uma igreja verdadeira. Grande parte da congregação foi convencida de que aquele era mesmo o melhor caminho a ser tomado, mas uma dezena de irmãos, sob a liderança leiga de Thomas Helwys, discordou daquela orientação, crendo que o pensamento inicial estava certo e que a congregação deveria prosseguir. A história batista tem como uma de suas características o divisionismo e isto parece acontecer desde a sua origem. A padaria onde a congregação se reunia, de propriedade de Jan Munter, um menonita, havia sido cedida a pedido de John Smyth, o primeiro pastor batista que acabava de solicitar sua aceitação junto aos irmãos da igreja local. O pequeno grupo de Helwys teve que achar outro local para se reunir, já que os seguidores de Smyth continuaram com suas reuniões na padaria, enquanto aguardavam a aceitação dos menonitas e mesmo depois, mantendo, assim, sua fé com cultos na língua inglesa.

A padaria de Jan Munter foi, portanto, muito importante para aquele grupo de refugiados ingleses, pois foi lá que nasceu a idéia de uma congregação a partir da experiência de conversão a Cristo por parte do pecador, seguida de seu batismo. Ideais como autonomia da comunidade local, liberdade religiosa e separação entre igreja e estado começaram a ser ali vivenciados. Muitas das práticas neotestamentárias, como o restabelecimento da imersão como forma de batismo, por exemplo, ainda seriam introduzidas na denominação batista ao longo da história, que começava com aquele pequeno grupo de pessoas. Este início, porém, mostra os batistas como um grupo que não manteve do catolicismo (ou mesmo do anglicanismo) estruturas, procedimentos e doutrinas não-bíblicas, como muitas denominações protestantes mantiveram. Como cristãos sinceros, desde o início, os batistas buscaram na Palavra de Deus a fonte de inspiração e orientação para a volta à simplicidade do evangelho de Cristo e da Igreja, tão desfigurada como organização após dezesseis séculos de cristianismo.

Foi assim que começou a nossa história batista: com uma congregação ainda anônima organizada em uma padaria, congregação essa cuja linha doutrinária ainda viria a ser definida em muitos detalhes, mas que acreditava firmemente ser aquele o caminho traçado por Deus para a vivência do evangelho de Cristo como Igreja, buscando uma linha neotestamentária. A divergência havida não anula a importância da liderança de John Smyth, desde o início na Inglaterra até o momento da organização, bem como da firmeza da liderança de Helwys na continuação da condução daquele pequeno grupo, o “remanescente fiel” batista.

Quantos eram e quais foram os membros fundadores da primeira congregação batista existente no mundo? Este é o assunto do próximo segmento.

Texto original e fonte: http://400yearsofbaptistchurch.blogspot.com/

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Crie seu site com o WordPress.com
Comece agora
%d blogueiros gostam disto:
search previous next tag category expand menu location phone mail time cart zoom edit close